Raça Bulldog Francês

Origem: França.


História:
Também conhecido como Frenchie, sua história está ligada a marginalização britânica que sofreu durante o século XIX.  O Buldogue existia em apenas um tamanho na Grã-Bretanha, já que os exemplares nascidos menores eram rejeitados. Levados à França, estes pequenos encontraram maior liberdade para se desenvolverem. De personalidade dita entusiástica e travessa, tornou-se um canino da moda, bem como o principal companheiro de cocheiros e açogueiros.

  • Você sabia? O Bulldog Francês é braquicefálico. O termo vem do grego “braqui” (curto) e “cefálico” (cabeça). A braquicefalia canina é a forma achatada e larga do crânio.


Comportamento:
É um excelente cão de companhia, com um divertido temperamento. Sociáveis, alegres, brincalhões e muito ativos. Adaptam-se facilmente a diversos ambientes. São bastante carinhosos, em certos momentos até em excesso. Dócil com crianças, por outro lado, muitas vezes se mostra valente e obstinado. Não necessitam longos passeios, porém deve-se brincar para gastar sua energia.


Características:
Cão de pequeno porte, com estrutura muscular compacta e ossos fortes. Seu focinho é curto e achatado; maxilar largo, quadrado e potente. Proeminência do maxilar inferior (prognatismo) moderada. Suas orelhas são retas e grandes (de morcego); seus olhos são redondos, grandes e ligeiramente salientes. Sua cauda costuma ser relativamente curta, naturalmente enrolada ou dobrada.


Pelagem:
Sua pelagem é curta, cerrada, brilhante e macia.


Cor:
Branco, Tigrado, Fulvo e suas variações (Tigrado e Branco; Fulvo e Branco).


Peso Adulto:
De 8 a 14 kg em média.

Altura: De 25 a 30 cm em média.

Expectativa de Vida: 10 a 12 anos.


Particularidades da Raça:
Focinho curto com dobrinhas, crânio compacto, protusão ocular e o sistema respiratório superior comprimido são algumas características da Síndrome Braquicefálico.

Por essa razão, quando sujeitos à alguns fatores como: temperaturas elevadas, exercícios físicos exigentes, estresse e passeios longos; podem “roncar” como sinal de dificuldade respiratória.


Cuidados específicos para essa raça:
Prefira coleiras peitorais; A limpeza das dobrinhas deve ser feita com frequência para evitar dermatopatias pelo acúmulo de sujidade e humidade;

Evite passeios e viagens em temperaturas muito elevadas, o ideal é passear pela manhã ou no final da tarde; O exercício moderado é importante para a saúde do animal e controla a condição corpórea, evitando obesidade (fator que também predispõe a dificuldade respiratória).